Four Views Baía projecta Buffet Gala 15 Sentidos

Um verdadeiro roteiro gastronómico, que já é marca tradicional do Hotel Four Views Baía, volta a animar a noite de 30 de Dezembro. O Buffet Gala 15 Sentidos, da autoria do conceituado Chefe Octávio Freitas, promete surpreender os convidados que vão marcar presença no Restaurante Bay View, que se diferencia também por possuir uma vista privilegiada sobre a baía do Funchal.

O conceito de um evento que é pensado e executado com requinte e pormenores detalhados é baseado sob o tema da Terra “Terroir”. Simplificando, trata-se de uma cozinha ligada às raízes e aos produtos regionais.

Esta autêntica rota gastronómica vai apresentar 15 grandes temas, transpostos em 15 Sentidos, que aproveitamos para revelar: Para Despertar o Apetite; Combinações do Chefe Octávio; À Descoberta da Maresia; Do Nosso Fumeiro; Degustação de Azeites; Néctar de Cana ao Natural; No seu melhor, em Folhas de Bananeira; Pasto DOC; Recordações de Infância; Passagem Pelo Seixal; Volta à Ilha; Rota dos Doces; Mimos do Chefe – Mercado dos Lavradores; Selecção da Nossa Adega e Das Parreiras Tinto e Branco.

As propostas arrojadas de combinações improváveis do Chefe Octávio Freitas tencionam dar a conhecer a terra e o mar em todas as suas criações. Conforme indicaram ao DIÁRIO, o Chefe traz às suas composições algumas das suas recordações de infância e da própria ilha que se mostrou uma oportunidade criativa, redesenhando o tradicional e aplicando-lhe uma visão e um sabor mais contemporâneos.

A festa terá início às 20h00 abrindo com uma selecção de Vinhos Madeira. Depois do jantar, o Woogie Boogie Cocktail Bar abre as suas portas com a animação a cargo da Banda Especial Four Views composta por Marco Gil (Voz/Guitarra) José Pereira (Baterista/voz), Valdemiro Freitas (teclados/voz), Beveal Putrik (Guitarra Solo), Igor Capelo (Viola Baixo), Roberto Freitas (Piano/voz) e Petra Camacha (Voz feminina convidada).

Fonte: dnoticias.pt

Gente com os copos… na mão

A ‘Essência do Vinho Madeira 2012′ decorreu no último fim-de-semana, e as mais de duas mil e quinhentas pessoas que a visitaram comprovam o sucesso de uma feira, que é para repetir.

Uma questão civilizacional, é assim que o enólogo madeirense Francisco Albuquerque define o gosto pelo vinho. Pelo bom vinho, entenda-se. E vinho, bom, muito bom e mesmo muito muito bom, foi coisa que não faltou no fim-de-semana passado no Centro de Congressos do Casino da Madeira, onde decorreu a ‘Essência do Vinho Madeira 2012′.

Foi a primeira vez que o evento foi organizado com ‘O’ maiúsculo na Região, e a qualidade da feira e a adesão dos madeirenses superou de tal forma as expectativas de todos, que a próxima edição é já uma certeza.

Foram três dias, mais de mil vinhos em prova livre, e umas boas dezenas em provas comentadas. Perto de três mil visitantes que percorreram com interesse os cerca de 70 expositores, conversaram com produtores, tiraram dúvidas com enólogos. “Um sucesso, que comprova que existe massa crítica na ilha e que o Funchal é um mercado a ter em consideração no panorama dos vinhos”, dizia no final Nuno Pires, director da ‘EV-Essência do Vinho’ que, a par com o DIÁRIO, organizou o evento. Por isso, acrescentou, esta foi apenas a primeira edição de um evento que vai repetir-se no futuro.

E que evento. Além das provas livres de vinhos de mais de uma centena de produtores, realizaram-se provas temáticas dirigidas por ‘wine experts’, ‘workshops’ direccionados para profissionais da hotelaria e da restauração, harmonizações enogastronómicas e sessões de ‘show cooking’ com ‘chefs’ reputados e ‘estrelados’ pela ‘Michellin’. Sim, porque um bom prato pede sempre um bom vinho.

“Eu quando idealizo os pratos, provo sempre alguns vinhos de forma a que ambos se complementem”, admite Octávio Freitas, chefe-executivo dos hotéis ‘Four Views’, explicando que o objectivo é que os sabores não choquem. “Pelo contrário, a ideia é retirar o melhor de cada um.”

Pela feira passaram outros cinco ‘chefs’, como Ljubomir Stanisic, executivo dos restaurantes ’100 Maneiras’ e jurado do programa televisivo ‘Masterchef’. Carlos Magno, com cozinha no grupo ‘Charming Hotels’, o ‘chef’ Chef Chakall – que dispensa apresentações -, o ‘chef’ Vitor Matos da ‘Casa da Calçada’ e Benoît Sinthon do madeirense ‘Il Galo d’Oro’.

“É uma excelente iniciativa, e uma oportunidade para aproximar a cozinha das pessoas”, disse Sinthon, o responsável pelo restaurante do hotel ‘Cliff Bay’, garantindo que o (bom) vinho tem sempre lugar à mesa. Foi isso que aconteceu no ‘Essência’, em que a alta cozinha andou de mãos dadas com o vinho. Após os pratos serem preparados, o público pôde degustá-los acompanhado por um vinho escolhido à medida.

E foram muitos os que não quiserem perder a oportunidade ver ‘chefs’ de classe mundial a trabalhar, passando pela cozinha montada pela ‘FX Hotelaria’, onde as cadeiras foram poucas para tanto interesse. De restos, todos os eventos programados contaram com boa afluência, mostrando o interesse dos madeirenses neste género de iniciativa.

“A Madeira ganhou um evento de escala e que em muito dignifica a ilha e em particular o Funchal”, dizia domingo passado o director comercial do DIÁRIO, Roberto Passos, sublinhando que estão reunidas todas as condições para que o certame se afirme no calendário anual português de iniciativas relacionadas com o vinho e a enogastronomia.

Não eram necessárias estas palavras, para atestar o sucesso da feira, bastava olhar para os corredores apinhados de entusiastas. Nem falar com especialistas como Alves de Sousa, uma lenda viva no panorama da enologia nacional. Mas nós falamos. “A Madeira já merecia um evento deste nível e com este cuidado organizativo”, referiu o enólogo, elogiando também o conhecimento dos madeirenses. “É um consumidor que gosta de bom vinho, é esclarecido mas, como todos, precisa de uma feira destas para contactar com vinhos diferentes”, explicou, dizendo que com tanta oferta o público deve sempre escolher numa óptica de qualidade/preço.

Também não era necessário ouvir João Graça, da ‘Sogrape’ dizer que a organização estava “impecável” e que os madeirenses eram “apaixonados e conhecedores” de vinho, bastava estar atento ao cumprimento dos horários, à falta de tempos ‘mortos’. Mas nós ouvimos, como ouvimos também as conversas soltas e interessadas, que o público, homens e mulheres porque o vinho não tem sexo, foi fazendo aqui e ali, nas mesas dos vários produtores. “Não é sempre que temos esta oportunidade, e não falo só das provas, mas também do contacto com os produtores e enólogos”, disse Carlos Fernandes, admitindo, perante os sorrisos de um grupo de amigos, que esteve dois dias na feira. “Um era pouco”, justificou.

Alexandra Mendonça, presidente da Associação dos Portos, também confessou entusiasmo pelo evento. “Estou cá a título de pessoal, porque gosto de vinho”, disse ao DIÁRIO, acrescentando que em termos de promoção turística, feiras deste género são sempre importantes.

Homens e mulheres. Mais velhos, e mais novos. “O vinho é universal, e não é machista”, garante Francisco Albuquerque, que olha para a ‘Essência do Vinho Madeira’ como um sinal claro de que existe um “crescimento muito grande” no interesse dos madeirenses pelo vinho.

“Aqui é local ideal para esse interesse crescer, evoluir, porque falar com produtores e enólogos ao mesmo tempo que se prova o vinho, é muito importante em termos de formação”, explica Albuquerque, elogiando o facto do sentimento de machismo que existia na Madeira em relação ao vinho, estar a desaparecer. “É um sinal civilizacional porque, como eu costume dizer, os animais não bebem vinho, só nós é que o apreciamos”.

Portugueses deviam olhar mais para o ‘Vinho Madeira’
O consumidor português precisa conhecer melhor o ‘Vinho Madeira’. A convicção de Rui Falcão, enólogo e crítico de vinhos, surge num contexto (infelizmente) muito usual em Portugal, onde, os bons produtos nacionais são muitas vezes mais conhecidos lá fora, do que cá dentro.

“O ‘Vinho Madeira’ é muito valorizado no estrangeiro, mas ainda pouco conhecido dos portugueses, o que é pena dada a qualidade que tem”, disse Rui Falcão, que esteve presente no passado fim-de-semana na Região, para participar no ‘Essência do Vinho Madeira’. Um evento que considerou “extraordinário”, para a promoção do ‘Vinho Madeira’ e do vinho nacional de uma “forma genérica”.

A harmonia como decorreu, o espaço escolhido, o cumprimento dos horários e as várias actividades desenvolvidas. Tudo mereceu elogios do enólogo, que acredita que a feira tem tudo para se afirmar no panorama nacional do sector.

Mais importante, ressalvou, é a oportunidade que oferece aos madeirenses de aprenderem mais sobre vinho. “Confesso que estou algo surpreendido, porque encontrei aqui um público já conhecedor mas com muita vontade de conhecer ainda mais”, explicou Rui Falcão, exemplificando com os números de entrada na feira na participação nas várias provas temáticas.

Fonte: dnoticias.pt

Uma formação saudável

O projecto ‘Tradições Saudáveis’ surgiu como forma de alertar os jovens para uma alimentação adequada e também para fazer despertar para a importância das tradições. Financiado por fundos europeus, Javier Santos, coordenador do projecto, sonha ir mais além com esta iniciativa.

O projecto ‘Tradições Saudáveis’ surgiu em 2011, fruto de um desejo pessoal de Javier Santos, o coordenador. Depois de ter trabalhado numa Organização Não Governamental (ONG) por vários países da Europa, onde teve oportunidade de conhecer novas culturas e tradições gastronómicas, e dado o destaque que a gastronomia tem ganho nos últimos tempos, principalmente na televisão, decidiu apostar nesta ideia, de sensibilizar os jovens para uma alimentação mais saudável e para um novo olhar sobre as tradições, “não como algo que está fora de moda, mas que deve ser mantido e inovado”.

A partir daí, o projecto surgiu, englobando também uma vertente relacionada com o consumo excessivo do álcool. Esta iniciativa não se assume como um curso, mas como uma formação para que os participantes ganhem competências, não na área da culinária, mas em termos de enriquecimento pessoal. “É mais dirigido à parte cívica, social e também pessoal, em termos de saúde, englobando as tradições”, explicou.

O projecto é financiado pelo programa europeu Juventude em Acção e a associação promotora é o Club Pés Livres. Este projecto foi dado a conhecer em associações, escolas e ainda há vagas para a parte referente ao consumo de álcool (www.tradicoes-saudaveis.pt). Contudo, as inscrições, gratuitas, dirigem-se a jovens entre os 16 e os 30 anos, por questões de programa e de financiamento do projecto.

Neste momento, e a participar nas actividades, estão cerca de 40 jovens, entre os quais muitos estudantes, trabalhadores e até desempregados. “São pessoas que têm interesse por esta área, pela alimentação”, disse. “No formulário de inscrição, uma das perguntas era o porquê de se inscreverem nesta formação e muitas disseram que tinham interesse em mudar a alimentação em casa”, apontou.

Este projecto está no terreno pela primeira vez e é pioneiro na Região, uma vez que mistura tradições, com diversidade cultural, gastronomia e alimentação saudável. A adesão foi a esperada ou ainda maior. “Tivemos até inscrições do continente, porque pensavam que também ia decorrer por lá”, disse, atribuindo este sucesso ao facto de “estar na moda” a gastronomia e as tradições.

Projecto para continuar O ‘Tradições Saudáveis’ começou a ser preparado em Maio e as actividades em Outubro. A formação decorrerá até Março de 2013, altura em que haverá um workshop final que vai ser aberto ao público em geral, no Funchal, e que contará com a presença do chef executivo dos hotéis Four Views, Octávio Freitas, e do dietista Ruben Silva, que falará sobre a preparação dos alimentos. Nssa iniciativa, também vai haver uma sessão de cocktails saudáveis, para complementar a parte da formação referente ao consumo excessivo de álcool.

Numa primeira fase, a formação foi dada na Pousada da Juventude, no Funchal, onde discutiram o que é diversidade cultural, cultura e tradições, sempre ligando estas questões à gastronomia. Depois, seguiram para o Hotel Four Views Baía, onde os jovens participam em várias actividades para aprender a importância do produto da terra para o prato, da agricultura biológica e o uso de plantas aromáticas. Nesta fase tiveram a possibilidade de conhecer a horta que o chef Octávio Freitas dispõe no Hotel Four Views Baía. Nesta parte, também falam sobre a gastronomia regional tradicional, as influências da dieta mediterrânica e o uso de produtos regionais e biológicos. Os jovens também vão contar com o contributo de um dietista que os vai orientar e ajudar na elaboração do seu próprio plano de alimentação, sem cometer ‘pecados’.

Depois da parte relacionada com a alimentação, a formação vira-se para o combate ao consumo excessivo de álcool. “É como se fosse uma segunda fase do projecto”, explicou Javier Santos, justificando a inclusão desta vertente com os “números impressionantes” que dão conta de um consumo cada vez maior de bebidas alcoólicas por parte dos mais novos. “Muitas vezes temos a ideia de que o consumo está associado às tradições, porque temos os arraiais, mas não está ligado a nada disso e sim aos jovens, que devem saber quais os seus limites”, frisou, sublinhando que vão alertar para o consumo moderado. Nesta fase vão ter convidados e posteriormente os jovens participantes vão elaborar uma campanha para o combate ao consumo excessivo de álcool nas redes sociais.

Quanto à continuidade do projecto, tudo depende dos apoios europeus. “Nós gostávamos de continuar, mas o projecto foi todo financiado pelo Juventude em Acção”, recordou, apontando que, a partir daí, tudo depende do que surgir e que há a ideia de continuar o projecto noutros níveis.

Para o coordenador do ‘Tradições Saudáveis’, a principal mais-valia do projecto é a oportunidade de “ver e mudar o estilo da alimentação”. Tendo em conta a actual situação de crise económica, esta é também uma oportunidade de aprender algo também ao nível da sustentabilidade nesta área.

Para este projecto, contam com uma equipa de jovens formadores, alguns deles que estavam desempregados. Para Javier Santos, este projecto foi também uma oportunidade para motivar quem não estava no activo.

“Com a crise é mais fácil ter uma alimentação saudável”
“Cada vez mais é importante sensibilizar os jovens para uma alimentação saudável, já que cada vez mais vemos jovens com problemas de saúde, causados por uma má alimentação, derivado ao stress e à falta de tempo”, referiu à MAIS o chef executivo dos hotéis Four Views, Octávio Freitas, formador neste projecto. Na parte em que esteve envolvido, fez questão de focar a importância das tradições para uma alimentação saudável. “A importância dos produtos frescos, como costumo dizer ‘da terra para o prato’, é importante, não só pelas vantagens da frescura dos produtos, mas também pela valorização dos produtos da terra e da Região”, frisou, apontando que, no dia-a-dia, as pessoas consomem “produtos de execução rápida, congelados e afins” e esquecem que existem produtos melhores com qualidade e quase ao mesmo preço ou mesmo mais baratos.

Devido à conjuntura actual, Octávio Freitas defende que a importância das hortas urbanas ou a compra no produtor, ou nos mercados tradicionais. “Eu penso que as pessoas às vezes gastam imenso dinheiro com produtos congelados quando conseguem obter os mesmos frescos e com mais qualidade”, salientou, sublinhando que a execução dos pratos por vezes é feita de uma forma menos sustentável e há um desperdício grande. “Eu acho que com a crise é mais fácil ter uma alimentação saudável”, frisou.

O chef acredita também que, nos últimos anos, os madeirenses têm valorizado e aproveitado melhor os recursos que têm. “Verifico que existem muitas pessoas a voltar aos seus terrenos e a reactivar as suas plantações”, constatou, enaltecendo o trabalho das entidades na promoção destes produtos. Porém, defende que “a qualidade dos produtos regionais têm que ir além fronteiras”.

Fonte: dnoticias.pt

Agricultando: Baía do bom paladar

Ruralidade na cidade
O Funchal sempre teve e tem uma vertente agrícola bem vincada, desde o seu centro até às zonas altas. A maioria das casas têm jardins com flores e algumas possuem terrenos cultivados com hortícolas, bananeiras ou pomares. É claro que na última década, resultante da expansão urbana, esse verde agrícola tornou-se menos visível. No entanto, uma das imagens de marca do Funchal do passado e do presente, é justamente essa mistura de edifícios e arruamentos com os terrenos agricultados, que proporcionam uma paisagem ímpar, quer para o residente, quer para o visitante, assumindo igualmente um relevante papel económico e social.

O Município do Funchal consciente da importância da actividade agrícola numa urbe, iniciou em Agosto de 2005, no Jardim Público da Ajuda, freguesia de São Martinho, os primeiros sete lotes de hortas urbanas municipais. Decorridos mais de sete anos, segundo a autarquia, esse número atingiu quase o meio milhar de hortas e uma área total que já ultrapassa os 32.000 metros quadrados, distribuída pelas freguesias de São Martinho, Santa Maria Maior, São Pedro, Santo António, São Roque e São Gonçalo. Num tempo de contenção financeira para as famílias, possibilitar a obtenção de produtos agrícolas para melhorar a sua alimentação, é certamente uma maneira de atenuar as dificuldades do dia-a-dia e de ocupar salutarmente as pessoas que ali dedicam parte do seu tempo e esforço.

Da terra ao prato
O Restaurante Bay View do Hotel Four Views Baía (telefone: 291700200, com página no facebook), está situado na Rua das Maravilhas, número 74, no Funchal. Em 2005, o grupo Four Views Hotels, constituído por empresários madeirenses, adquire o antigo Hotel São João e renova-o, tal como hoje é conhecido. O Chefe de Cozinha Executivo deste grupo hoteleiro, Octávio Freitas, exerce essas funções desde Março de 2009 e defende o uso dos produtos regionais numa cozinha de qualidade, assente numa visão epicurista, isto é, na procura pelos prazeres dos sentidos, quando se desfruta de um prato por ele confeccionado. Uma das entradas que pode experimentar, é o creme de castanhas com bolhão de gambas ou umas vieiras salteadas com creme de cenoura e erva caninha. Como prato principal, um robalo em crosta de puré de azeitonas com malandrinho de funcho ou um chambão de cordeiro longa cozedura com purés de batata doce e maçã braseada. A fechar, uma panna cotta de broa de mel com caramelo de açafrão e coentros ou uma tentação de chocolate com azeite de malaguetas e flor de sal. Se estiver indeciso e aceitar uma experiência proposta pelo Chefe de Cozinha, terá um menu ‘às cegas’ (sem direito a escolha), com iguarias harmonizadas com vinhos seleccionados.

Já aqui foi mencionado noutros artigos, que é importante ter produtos agrícolas locais de elevada frescura e qualidade, que vão garantir o sucesso de um prato. Octávio Freitas corrobora dessa ideia e por isso, coordena e gere duas hortas de produção biológica localizadas em dois hotéis do grupo, onde se cultivam à volta de 40 referências de ervas aromáticas e hortícolas como o funcho, o anis, a alfazema, o tomilho limão, o cebolinho, a couve, a cebola, o tomate, o inhame, a rúcula, entre outras. O lema “é da terra que nasce o prato” está bem patente e é motivo de inspiração para a criação de manjares e deleite do comensal.

agricultando@gmail.com

http://agricultando.blogs.sapo.pt

Acompanhamento musical
André Fernandes é um dos guitarristas de referência do jazz luso. Em Janeiro deste ano, surgiu ‘Motor’, sexto álbum da sua carreira e sucessor de ‘Imaginário’ de 2009. As dez faixas que compõem o disco, são da autoria de Fernandes, que conta com músicos de excelência como Bernardo Sassetti, Demian Cabaud, Marcos Cavaleiro e os convidados Zé Pedro Coelho e Susana Santos Silva. Como roteiro do disco, recomendo a audição em primeiro lugar de ‘Flying Girl’, ‘Afeghan Trouper’, ‘Float’ e ‘Bipolar Banana Cake’, verdadeiras peças de um motor afinado, como só André Fernandes sabe tão bem fazer.

Fonte: dnoticias.pt

‘Essência do Vinho – Madeira’ garante participação recorde

É um sinal claro do interesse e da importância regional daquele que será o maior evento de vinhos até hoje realizado na Região: a uma semana da sua realização, já foram ‘vendidas’ todas das mesas, num total de 81, disponíveis para os produtores que vão marcar presença na ‘Essência do Vinho – Madeira’, marcada para os dias 30 de Novembro, 1 e 2 de Dezembro, no Centro de Congressos da Madeira, Funchal.

Esta feira contará, no global, com perto de mil garrafas em degustação, cerca de uma centena de produtores e nove distribuidores, conforme salientou Roberto Passos, director comercial do DIÁRIO de Notícias da Madeira, entidade organizadora do evento, em parceria com a Essência do Vinho.

Esta iniciativa terá múltiplas vertentes: ‘show-cookings’ assegurados com conceituados ‘chefs’ como Chakall, Vítor Matos, Ljubomir Stanisic, Carlos Magno, Octávio Freitas e Benoît Shinton; conversas a copo entre os ‘chefs’ e enólogos conceituados; loja de venda de garrafas de marcas conceituadas a ‘preço de feira’; presença especial de um crítico internacional, Richard Mayson, tido como um supra-sumo na área; entre outros ingredientes.

Uma das componentes mais interessantes do ponto de vista técnico prende-se com as formações – nove no total – que serão ministradas ao longo dos três dias da feira por dois dos melhores críticos de Portugal: Rui Falcão e Manuel Moreira. A saber:  ‘Madeira À Prova Do Tempo – Clássicos Do Século XIX’; ‘Domingos Alves de Sousa – Um Douro Com Assinatura’; ‘Como Melhorar o Serviço de Vinhos no Seu Restaurante’; ‘Quinta Dos Carvalhais’; ‘Touriga Nacional, A Casta de Portugal’; ‘Volta ao Mundo’; ‘Grandes Vinhos do Alentejo’; ‘Bacalhôa Vinhos’; e ‘Relação Qualidade Vs. Prazer’.

Além do acompanhamento editorial do DIÁRIO de Notícias, está assegurada uma reportagem de grande destaque sobre os vinhos da Madeira, a ser publicada na revista ‘Wine’ na edição de Dezembro.

Para o público em geral, o acesso ao ‘Essência do Vinho – Madeira’ será feito mediante bilhete em duas modalidades: 10 euros/dia e está incluído 1 saco + copo + 1 garrafa ‘Herdade do Peso Vinha do Monte Branco’ de 2011, de 37,5 cl (dá acesso à degustação + ‘show-cooking’ + conversas a copo); ou 25 euros para os 3 dias e estão incluídos 3 sacos + 3 copos + 3 garrafas ‘Herdade do Peso Vinha do Monte Branco’, de 2011, de 37,5 cl (dá acesso a degustação + ‘show-cooking’ + conversas a copo + festa de encerramento).

De resto, paralelamente ao evento haverá sessões de jazz da responsabilidade do Scat Funchal Jazz Club (com ‘sets’ às 14h-14h30, 15h30-16h e 18h-18h30), além de uma festa de encerramento no Copacabana Garden do Casino da Madeira, acessível apenas por convite, que decorrerá no sábado, dia 1 de Dezembro a partir das 23 horas.

“Não poderia deixar de agradecer a Pedro Camacho, aos patrocinadores Autozarco e Instituto do Vinho e Bordado da Madeira, e claro está, aos apoios de Américo Pereira, REF, FX Hotelaria, Madeira Wine Company, San Pellegrino, Som ao Vivo, Casino da Madeira, Scats e Libargel, Hotel Four Views Baía e finalmente à Essência do Vinho, sem os quais seria impossível realizar a ‘Essência do Vinho – Madeira’”, concluiu Roberto Passos.

Fonte: dnoticias.pt

‘Chefs’ desafiam enólogos com iguarias da Madeira

O evento é dedicado aos vinhos e aos produtores portugueses, mas terá também uma vertente gastronómica. Seis conceituados ‘chefs’ vão marcar presença no ‘Essência do Vinho – Madeira 2012′, um evento que se realiza nos dias 30 de Novembro e 1 e 2 de Dezembro, na sala de conferências do Centro de Congressos do Casino e que resulta de uma parceria entre o DIÁRIO de Notícias e a Essência do Vinho.

Além de ‘workshops’, formação e provas, o ‘Essência do Vinho – Madeira’ incluirá sessões de ‘show cooking’ com os seguintes nomes: Chakall, conhecido do público português da série televisiva ‘Chakall & Pulga’; Ljubomir Stanisic, proprietário dos restaurantes ’100 Maneiras’ e júri da versão portuguesa do concurso ‘MasterChef’; Vítor Matos, do restaurante ‘Largo do Paço’ do hotel ‘Casa da Calçada Relais & Châteux’, em Amarante; e também os ‘madeirenses’ Octávio Freitas, ‘Chef’ Executivo do Fourviews Hotels’, Carlos Magno, do Charming Hotels Madeira e Benoît Shinton, ‘Chef’ Executivo do Hotel Cliff Bay.

Os especialistas terão uma hora para preparar um prato, confeccionado com produtos regionais. Depois, os enólogos serão desafiados a apresentar um vinho para acompanhar as iguarias.

“Os ‘chefs’ apresentam a iguaria e os enólogos escolhem o vinho, que deve harmonizar com o parto”, explicou Américo Pereira, escanção/’sommelier’, que está encarregue de fazer a ligação entre ‘chefs’ e enólogos.

Nas ‘Conversas a Copo’ participam o ‘chef’ que confeccionou o prato e um enólogo dos produtores presentes no evento. Mas não serão os únicos intervenientes na conversa, já que o público presente está também convidado a participar.

“É uma conversa aberta, de uma forma livre e expontânea para que as pessoas possam trocar impressões”, adiantou Américo Pereira, sublinhando que o objectivo “é explicar que para cada iguaria há um vinho que encaixa melhor”.

“É importante um enólogo escolher um vinho que encaixe, para não estragar a iguaria que o ‘chef’ levou tanto tempo a preparar”, destacou.

Iguarias como gaiado, ‘gata’, atum, cavala, lapas, espadarte, peixe-espada-preto e bacalhau constam da lista de ingredientes que os ‘chefs’ já solicitaram.

“A base dos pratos é composta por produtos regionais, que depois é complementada com os ingredientes que os ‘chefs’ quiserem”, revelou Américo Pereira.

Há duas sessões de ‘Show Cooking’ e ‘Conversas a Copo’ por cada dia do evento. As sessões são livres, só é paga a entrada no recinto.

Peixe domina ementa
Entre os pratos já definidos o peixe é o ingrediente predominante.
Espadarte com maracujá, polvo com banana e uma mousse de banana com chocolate serão os pratos confeccionados por Chakall.
Ljubomir Stanisic vai preparar um hamburguer de atum e também um prato com gaiado e ‘gata’.
Já Octávio Freitas optou por uma iguaria composta por bacalhau e cavala em diferentes cozeduras.
Carlos Magno vai fazer uma trilogia à base de peixe e Vítor Matos está a pensar em utilizar peixe espada e milhos.

Fonte: dnoticias.pt

Do Mercado dos Lavradores a Mougins

A imagem da Madeira saiu reforçada após a participação de cinco chefes do Funchal no 7.º Festival Internacional de Gastronomia ‘Les Etoiles de Mougins’, no Sul de França. “Uma presença muito significativa e uma acção promocional assinalável”, resume Miguel Caldeira, principal impulsionador da participação madeirense, em parceria com a Câmara Municipal do Funchal.

A sétima edição do festival de Mougins, que teve lugar entre 14 e 16 de Setembro, contou este ano com 120 chefes de todo o mundo. Portugal esteve em destaque, por ter enviado a maior delegação estrangeira, todos do Funchal: Benoit Sinthon (Hotel Cliff Bay), Carlos Magno (Hotel Quinta das Vistas Palace Gardens), Luís Pestana (Reid’s Palace), Thomas Faudry (Hotel De Vine) e Octávio Freitas (Four Views Baia).

A participação madeirense aconteceu na sequência do 1.º Festival ‘Les Etoiles de Mougins’ na Madeira, que decorreu no Funchal em Junho deste ano, cuja viabilização “só foi possível pelo apoio e visão da Câmara Municipal do Funchal na pessoa de Miguel Albuquerque e da sua equipa”, conforme salienta Miguel Caldeira, director geral da ‘Charming Hotels Madeira’. A segunda edição madeirense está já na forja, faltando apenas definir se em Abril ou Junho de 2013, com o Funchal a firmar-se entre o reduzido número de cidades que acolhem a vertente internacional do festival de Mougins: Nova Iorque, Los Angeles, Bruxelas, Lerici (Itália) e Casablanca (Marrocos).

“Em Junho deste ano trouxemos à Madeira 8 chefes internacionais, todos com ‘Estrelas Michelin’, que proporcionaram experiências interessantíssimas”, conta Miguel Caldeira, referindo-se ao envolvimento de cinco hotéis e às iniciativas levadas a cabo em diversas áreas e que extravasaram a mera componente da cozinha profissional. Foi o caso da associação ao concurso para amadores promovida pela FN Hotelaria e a componente didáctica relacionada com a Escola Hoteleira da Madeira, num caso e noutro com estágios em Mougins, oferecidos aos vencedores.

A Madeira começou a ser falada há dois anos em Mougins, uma região turística que dista cerca de 15 minutos de Cannes na famosa ‘Côte d’Azur’ e se orgulha de ostentar o título de ‘capital da gastronomia e das artes de bem viver’. Depois do estatuto de ‘convidado’ em 2011, o Funchal apresentou-se este ano em Mougins com peso gastronómico – cinco dos seus melhores chefes de cozinha – e institucional, com a presença de Miguel Albuquerque, presidente da Câmara Municipal.

“Foi um momento único, com os 5 chefes ‘madeirenses’ a protagonizarem um dos momentos altos do festival, precisamente a ‘Estação Madeira’, uma promoção fantástica da nossa ilha associada à distribuição de brochuras e com cobertura de vários canais de TV e revistas da especialidade franceses”, recorda Miguel Caldeira.

Em paralelo com a componente principal do 7.º Festival Internacional de Gastronomia ‘Les Etoiles de Mougins’, houve espaço para uma espécie de concurso de ‘maires’ (presidentes de câmara), no qual Miguel Albuquerque acabou por estar em foco: primeiro pela apresentação de um Vinho Madeira – Malvasia de 1994 – e depois na técnica de servir champanhe numa sequência de copos, todos pela mesma medida e sem desperdícios.

Antes da participação em Mougins, em Setembro, a Madeira já tinha sido nomeada ‘embaixadora do festival’ para os países de língua portuguesa. É por essa via que, em Novembro de 2013, o ‘Les Etoiles de Mougins’ chegará a Campinas, São Paulo, no Brasil, após a participação do chefe brasileiro, André Otero, no concurso da FN Hotelaria. “Todas estas iniciativas proporcionam diferentes experiências e contribuem para o processo criativo. O projecto que iniciámos em Junho na Madeira tem pernas para andar e poderá rapidamente transformar-se num cartaz interessantíssimo para a nossa Região Autónoma. Temos produtos regionais que encantaram os vários chefes que por aqui passaram. Há um enorme potencial que pode ser explorado nesta área”, alerta Miguel Caldeira.

Fonte: dnoticias.pt | Revista Mais

Novo projecto incentiva à vida saudável

Foi criado por jovens e para jovens, com vista a promover as tradições através dos estilos de vida saudável, indo ao encontro de duas realidades que vivem distantes, embora que na maior parte das vezes, estão ligadas pelos maus exemplos, através dos excessos não só alimentares mas também ao nível do consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Chama-se ‘Tradições Saudáveis’, vai começar a desenvolver uma série de actividades na Madeira, tem como promotor o Club Pés Livres e é financiado pelo programa europeu Juventude em Acção promovido pela agência nacional para a gestão deste programa em Portugal.

“Juntou-se uma série de ideias para promoção de estilos de vida saudável, através das tradições regionais, nacionais e europeias, num processo educativo, onde os participantes irão discutir, partilhar e reflectir sobre estes assuntos”, começou por explicar Javier Santos, coordenador do projecto ‘Tradições Saudáveis.

“O processo formativo irá complementar uma série de temáticas que vão desde o que é cultura e tradições, diversidade cultural, gastronomia e hábitos alimentares, consumo excessivo de álcool e as suas consequências. Para além deste processo formativo, os jovens participantes terão oportunidade de ter ‘workshops’ de gastronomia e de ‘cocktails’ saudáveis, visitas ao terreno, onde irão conhecer diferentes realidades sobre a temática. Durante o projecto, os participantes irão ter oportunidade de criar uma campanha de sensibilização e de promoção de estilos de vida saudável”, explica.

O processo todo terá a coordenação de Javier Santos e conta com o apoio de Natércia Teles, Rogério Gouveia e Fátima Andrade em todo o projecto. Como formadores convidados, o projecto irá contar com o dietista Rúben Silva da empresa Nutrinis, e do conceituado especialista Octávio Freitas, chefe-executivo da cadeia Four Views e “grande defensor da gastronomia e produtos regionais”.

Para além da parte formativa, os formadores irão ter uma função importante na promoção de uma alimentação saudável, munindo os jovens de técnicas para uma vida e alimentação saudável, bem como conhecimento para que eles próprios criem os seus próprios planos alimentares saudáveis e sustentáveis.

De resto, o projecto pretende ter um impacto regional e irá contar com a participação de dezenas de jovens com idades compreendidas entres os 16 e os 30 anos. As actividades serão realizadas a partir deste mês e até Março de 2013.

Fonte: dnoticias.pt