Agricultando: Obrigado

VENCER A ÁGUA Ao fim de 71 textos sobre Agricultura madeirense, é chegado o tempo de terminar e fazer um balanço sobre o ‘Agricultando’. Tudo começou em 9 de Setembro de 2007 com um artigo sobre o ‘Pêro da Ponta do Pargo’. Procurei ao longo destes dois anos e nove meses, trazer a estas páginas da revista Mais do Diário de Notícias, o melhor que a Madeira e o Porto Santo têm em termos agrícolas. De 15 em 15 dias, consoante a época do ano, abordava uma hortícola ou fruta, locais e zonas agrícolas emblemáticos da Região. Destaquei os certames agrícolas mais representativos, pois estes são fundamentais para a divulgação dos produtos agrícolas regionais e seus transformados, das próprias localidades e para o fortalecimento de contactos entre os produtores, Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, associações de agricultores, empresários do sector agro-alimentar e consumidores. Referi alguns exemplos de empresas agro-industriais da Região que produzem derivados como o mel de cana, os licores, a doçaria, as compotas, entre outros.

O património agrícola edificado como os poios e as levadas foram apontados como parte da nossa identidade cultural e como suporte para a Agricultura regional. A vertente social associada à actividade agrícola também foi aqui focada e dei conta de projectos como a ‘Ao Seu Lar’, a Quinta Pedagógica dos Prazeres e ‘Madeira Agrícola’. O Germobanco Agrícola da Madeira, criado pela Associação de Agricultores da Madeira e pela Universidade da Madeira, é outro dos projectos que foi mencionado, por ser uma mais valia para a Agricultura madeirense do presente e do futuro.

Recordei ilustres agrónomos como Joaquim Vieira Natividade, António Teixeira de Sousa e Rui Vieira que muito contribuíram para a nossa Agricultura. Realcei dois livros, ‘Receitas com Mel-de-Cana’ do Chefe Octávio Freitas, numa feliz ideia da Fábrica de Mel de Cana do Ribeiro Sêco e ‘Castanea – Uma Dádiva dos Deuses’ do Dr. Jorge Lage, que fez um levantamento exaustivo da castanha e do castanheiro em Portugal.

Antes de finalizar, quero deixar uma mensagem para si, caro leitor, que tem acompanhado o ‘Agricultando’: consuma produtos agrícolas regionais. Quando for ao restaurante, exija que os pratos que lhe são apresentados, contenham hortofrutícolas de origem local. Ao fazermos isso, estamos a ajudar o agricultor madeirense e a economia rural, pois este continuará a cultivar os terrenos, preservando assim a nossa biodiversidade e paisagem agrícolas que são únicas no mundo e que são tão apreciadas por nós e pelos turistas.

Habitualmente, o ‘Agricultando’ tinha uma nota musical. Sei que muitos a apreciavam e nos 71 artigos, fiz questão que as sugestões fossem sempre música portuguesa. Porque felizmente, o nosso país é muito rico a esse nível.

Bom, resta-me agradecer à Direcção do Diário de Notícias, ao Coordenador da revista Mais, Duarte Azevedo e aos antecessores, Agostinho Silva e João Filipe Pestana, ao Departamento de Arte, pela oportunidade que me deram de divulgar os meus escritos e ao amigo e jornalista José Salvador que desde a primeira hora, me incentivou a ser colaborador. Agradeço igualmente aos colegas e todos aqueles que me forneceram informação essencial para alguns dos textos. Aos leitores e aos que comentaram pessoalmente ou no blogue, o meu muito obrigado.

Fonte: dnoticias.pt | Revista Mais